Redes de proteção: como garantir a segurança?

Redes de proteção: como garantir a segurança?

Telas em sacadas ou janelas, com o objetivo de proteger os moradores e seus animais de estimação, devem seguir normas técnicas quanto aos materiais e instalação.

As redes de proteção, como o próprio nome diz, são fundamentais para garantir a segurança, especialmente no caso de famílias que têm crianças ou animais de estimação. Além disso, elas impedem a queda de objetos e são bastante utilizadas também na fase de obras das edificações, para prevenir acidentes de trabalho. 

Esses produtos e os serviços de instalação não são regulamentados por nenhum órgão de governo, o que faz com que não sejam fiscalizados. “Por isso, o cuidado na hora de escolher o produto e a empresa que fará a instalação deve ser redobrado”, alertou Dino Lameira, especialista da PROTESTE.

No entanto, ele destaca que a norma técnica da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) nº 16046 trata da qualidade da rede, dos materiais e do serviço de instalação. “Assim, ao contratar a compra e instalação do produto, é importante selecionar empresas que conhecem e utilizam como  base este documento”, disse Dino.


Confira as regras para instalação segura das redes de proteção

Embora a PROTESTE nunca tenha realizado um teste específico desse produto ou do serviço de instalação, Dino orienta que os consumidores adotem algumas precauções antes de fechar o negócio. 

Segundo ele, os produtos que seguem a norma citada possuem em sua malha a descrição de atendimento da mesma, o que aumenta a confiança de que eles foram submetidos a testes de envelhecimento acelerado, feitos em câmara de intemperismo com lâmpada do tipo UV, que simula a exposição que a rede e a corda sofrem à luz, ao calor, à umidade e à chuva.

Dino também destaca que os elementos de fixação devem ser testados após a instalação, com auxílio de um dinamômetro manual, que deve apontar uma resistência mínima de 30 kgf – aproximadamente 294 N. “A instalação deve seguir a norma ABNT NBR 16046-3 – Redes de proteção para edificações – Parte 3: Instalação”, orientou.

Tenha atenção na hora de contratar o serviço

Para o especialista, é essencial que o consumidor analise a compra do produto observando o cumprimento das regras e não somente o seu preço. “A chance de uso de material que não traga segurança, sofra com a intempéries ou seja instalado sem procedimentos adequados é maior. Assim, a rede pode conferir uma falsa sensação de proteção, mas se em algum momento ela for efetivamente requisitada, poderá não apresentar condições adequadas, aumentando o risco de acidentes”, pontuou Dino. “A crença na falsa segurança contribui para brincadeiras e ações que levam a acidentes”, completou.

Dino ainda afirma que o consumidor deve solicitar do fabricante da rede de proteção e do instalador o prazo de vida útil do sistema, por escrito (por ambos), e respeitá-los, fazendo a substituição antes das datas descritas. “A vida útil está atrelada ao fabricante e realização das manutenções”, destacou. Segundo o especialista, em caso de dúvidas na escolha do prestador de serviços, a Associação Brasileira de Empresas Técnicas em Instalações de Redes de Proteção e Segurança (Abrasredes) pode sinalizar quais os associados indicados em cada região. 

Veja o que diz a norma regulamentadora

  • Tamanho da malha: o perímetro máximo deve ser de 200 mm.
  • Resistência ao impacto: a rede deve ter uma resistência de 600 J quando sofre um impacto, em movimento pendular, de um saco de 40 kg.
  • Resistência à tração: o teste deve ser feito antes e após o envelhecimento acelerado. A carga mínima que o material deve ter quando novo é de 500 N/malha e, após a exposição, deve ser no mínimo 320 N/malha. 
  • Corda de fixação: deve ser avaliada conforme a ABNT NBR 16046-2 – Redes de proteção para edificações – Parte 2: Corda para instalação da rede de proteção – que determina ensaios de resistência à tração antes e após envelhecimento acelerado, com carga mínima que o material deve ter quando novo (1 000 N) e após a exposição,  com no mínimo 650 N.

Sobre os tipos de janela e instalações recomendadas, confira a seguir o que a norma define.

  • Janela que corre pela lateral: a rede deve ser instalada do lado de fora, para facilitar a limpeza e manuseio.
  • Janela basculante: caso a instalação, neste caso, fosse feita por fora, a abertura da janela atingiria a rede, impossibilitando o movimento. Portanto, neste tipo de janela, recomendamos a instalação da rede por dentro. Para facilitar a introdução e retirada das mãos para limpeza, é recomendado o uso de malha com espaço de 10.
  • Veneziana de correr: a instalação deve ser feita entre o vidro e a veneziana.
  • Veneziana sanfonada ou camarão: instalar a rede entre o vidro e a veneziana, caso haja  espaço. Se não houver, a instalação deverá ser feita antes da vidraça.
Seja associado à PROTESTE e tenha acesso a conteúdos exclusivos. CADASTRE-SE arrow_right_alt